segunda-feira, 24 de novembro de 2014

ACRE: RIO TARAUACÁ VOLTA A SUBIR APÓS SAIR DA COTA DE TRANSBORDAMENTO


O nível do Rio Tarauacá, localizado no município de mesmo nome, distante 400 km de Rio Branco, voltou a subir neste domingo (23) e atingiu 10,92 metros, 1,92 metros acima da cota de transbordamento, 9 metros. Nesta sexta-feira (21), o rio chegou aos 8,81 metros e algumas famílias começaram a retornar para suas residências. A cheia chegou a desabrigar mais de 5 mil famílias, além de ribeirinhos e aldeias indígenas.

De acordo com o major da Defesa Civil de Tarauacá, Moisés Silva, o aumento no nível ocorreu devido à chuva que caiu no Juruá durante o fim de semana. O major informou ainda que até o momento, uma família já foi retirada de casa após a subida das águas. "Está chovendo lá no Juruá, mas a previsão não é de mais chuva. O rio já estava cheio, fizemos uma medição às 6h e apresentou outra subida", explica Moisés.

Ainda de acordo com o major, a Defesa Civil precisou retirar cinco famílias de suas casas por causa de desmoronamento de barrancos. Essas famílias, segundo Moisés, foram encaminhadas para casa de parentes e amigos. "Apenas uma família foi retirada em função da enchente, as demais estavam em lugares onde havia desbarrancamanto e preferimos retirar para evitar acidentes", esclarece.

O major contou ainda que o trabalho da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros continua no município. Os órgãos estão monitorando a enchente e os lugares que apresentam risco de desabamento.

Ao G1, o prefeito de Tarauacá, Rodrigo Damaceno, informou que a cheia do rio atingiu os bairros do Triângulo e da Praia, bairros que ficam próximos ao rio. A família atingida pelas águas do Tarauacá, segundo o prefeito, foi encaminhada para o abrigo da cidade.

Cheia histórica

De acordo a Defesa Civil, ao menos 5.300 famílias foram atingidas pela cheia repentina dos Rios Tarauacá e Murú. Considerada atípica, por ocorrer no mês de novembro, essa foi a sexta cheia que atinge o município em 2014. Cerca de 91 famílias chegaram a ficar desabrigadas.

Ao menos 565 índios da etnia Yawanawá, em seis aldeias às margens do Rio Gregório, também foram atingidas pela cheia. De acordo com o prefeito de Tarauacá, as famílias receberam cesta básica e 70 colchões foram enviados para as aldeias Nova Esperança e Mutum, as mais atingidas com a enchente.

O governo federal reconheceu, na quinta-feira (20), a situação de emergência, decretada no último dia 16. O município chegou a declarar situação de calamidade pública no dia 18, após reunião com representantes da Polícia Militar (PM), Corpo de Bombeiros e Defesa Civil.

Doações

A Prefeitura de Tarauacá deu início a uma campanha de arrecadação de donativos para as vítimas da enchente que afeta o município desde o último dia 14. O objetivo é arrecadar roupas, alimentos, remédios e brinquedos para as pessoas atingidas.

Um ponto de coleta foi montado em Rio Branco, no consultório de Infectologia Ultrassonografia, localizado na Rua Hugo Carneiro, número 234, em frente ao Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb).

G1/Acre

ÁREAS PROTEGIDAS ESTÃO SENDO DESMATADAS NO ESTADO DO ACRE


Os municípios de Manoel Urbano e Santa Rosa do Purus aparecem entre os que possuem assentamento de reforma agrária que desmataram no mês de outubro, na última geração de alertas de desmatamento e degradação florestal realizado pelo Imazon. O PAR Aleluia (Manoel Urbano) ocupa o 7º lugar no ranking e o PAR Santa Rosa (em Santa Rosa do Purus) o 9º lugar entre os dez assentamentos que mais desmataram no período.

A destruição no Projeto de Assentamento Aleluia foi equivalente a 1,4 km, enquanto que em Santa Rosa a destruição da floresta atingiu uma área de 1,2 km. O PDS liberdade, no estado do Pará foi o que mais destruiu, uma área superior a 14 km.

Em setembro outros dois assentamentos no Acre foram apontados no relatório. O PA Remanso em Capixaba e o PA Porto Luiz II em Acrelândia, destruíram juntos 5,1 km de florestas.

A reserva estadual do Antimary aparece na lista de áreas protegidas desmatadas em setembro. Na região que fica entre os municípios de Bujari e Sena Madureira, a destruição foi de 1,7 km. A reserva federal Chico Mendes engrossa as estatísticas, com 1,4 km de destruição.

Em outubro de 2014, a maioria (60%) do desmatamento ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse. O restante do desmatamento foi registrado em Assentamentos de Reforma Agrária (22%), Unidades de Conservação (16%) e Terras Indígenas (2%)

O SAD detectou 244 quilômetros quadrados de desmatamento na Amazônia Legal em outubro de 2014. Isso representou um aumento de 467% em relação a outubro de 2013 quando o desmatamento somou 43 quilômetros quadrados. Foi possível monitorar 72% da área florestal na Amazônia Legal enquanto que em outubro de 2013 o monitoramento cobriu uma área menor (69%) do território.

Em outubro de 2014, o desmatamento concentrou em Rondônia (27%), Mato Grosso (23%), seguido pelo Pará (22%) e Amazonas (13%), com menor ocorrência em Roraima (9%), Acre (5%) e Amapá (1%).

Desde julho de 2012 a detecção de alertas desmatamentos e de degradação florestal vem sendo realizada na plataforma Google Earth Engine (EE), com a nova versão SAD EE. Esse sistema foi desenvolvido em colaboração com a Google e utiliza o mesmo processo já utilizado pelo SAD, com imagens de reflectância do MODIS para gerar os alertas de desmatamento e degradação florestal.

Jairo Carioca - da redação de ac24horasRio Branco - Acre

ARTIGO: " NÃO HÁ SAÍDAS PELAS EXTREMIDADES" (MOISÉS DINIZ)


POR MOISÉS DINIZ - O Congresso do Brasil está cada dia mais conservador, porque quem tem condições de ajudar a eleger congressistas populares, age como se não tivesse sido eleito pelas forças populares.

A esquerda no poder no Brasil, há bastante tempo, não faz nenhuma política para fortalecer os partidos populares, as organizações sociais, especialmente aquelas que sempre defenderam, inclusive com a vida de seus membros, os direitos fundamentais do povo.

No poder, a esquerda não fez nenhuma política que dotasse de instrumentos de comunicação de massas aquelas instituições que poderiam enfrentar a poderosa mídia conservadora que, agora, golpeia até a respiração de quem quer avançar.

A reforma agrária da esquerda não tem o direito de constar nos livros de história. A reforma urbana? Olhem aonde foram erguidas as casas do povo dos programas sociais nas grandes cidades. O povo está cada dia mais distante, geograficamente, dos centros de acesso aos equipamentos sociais e públicos. Há uma exceção no Acre, com o Cidade do Povo, que merece ser estudada pelos urbanistas do Brasil.

A esquerda teve tempo e não fez a sua lição básica: se consolidar, estruturar uma logística de combate sólida, especialmente na área de comunicação de massas, melhorar o coração dos aliados, florescer na simpatia popular.

Esquerda que elege a presidente numa disputa apertada, com congresso conservador mais ainda e metade da sociedade e a mídia toda em pé de guerra, precisa construir caminhos pelo meio. As extremidades agora são letais.

É preciso, primeiro, barrar a sandice reacionária atual, com muito trabalho e firme debate nas redes sociais e toda mídia que se dispuser. Não é hora de radicalização. É tempo de retomar o controle da situação. Gente do tipo Bolsonaro deve voltar para a periferia da política, aonde sempre estiveram.

Por isso, as medidas econômicas que se anunciam, com as pré-indicadas nomeações da área econômica e do desenvolvimento, recolocarão a presidente Dilma no controle da situação, estabilizando a economia, retomando o crescimento econômico, domando a inflação e atraindo setores que haviam sido expulsos durante a campanha.

Até a nomeação da Kátia Abreu, para a agricultura, é um movimento correto, até para inibir gente como Ronaldo Caiado, que ficarão sem voz e sem público e deixar a Veja sem tinta para chamar a Dilma de bolivariana.

Quando acalmar os ânimos e a esquerda retomar o controle da situação, cuide de fazer o dever de casa, que já está atrasado, ou, então, peça ao padre para mudar o nome do menino, porque esquerda não será mais.

*Moisés Diniz é membro da Academia Acreana de Letras e autor do livro O Santo de Deus.

domingo, 23 de novembro de 2014

TARAUACÁ: PREFEITURA ESTIMA PREJUÍZO DE R$ 15 MILHÕES COM CHEIA


Os cálculos ainda não foram finalizados, mas a Prefeitura de Tarauacá, município acriano distante 400 km da capital Rio Branco, já contabiliza mais de R$ 15 milhões em danos causados a propriedades públicas e privadas, pela enchente que atinge a cidade desde o dia 14 de novembro. 

De acordo com o procurador geral de Tarauacá, Oscar Soares Júnior, as perdas devem ser maiores na zona rural, onde houve perda de plantações. Esses dados, no entanto, ainda não foram disponibilizados. "Como a economia do município gira em torno da zona rural, principalmente da agricultura familiar, o grande prejuízo vem da zona rural", explica.

O procurador diz acreditar que pelos danos causados o município deve levar no mínimo cinco anos para se recuperar dos estragos.


Com informações do G1/Acre

CONTEMPLAÇÃO FILOSÓFICA



Assim como o belo aroma de jasmim, o teu belo aroma natural me faz sentir que a vida não foi feita para ser vivida, mas para ser sentida, pois, só vive que tem á capacidade de sentir a vida pulsar nos pequenos acontecimentos. 

Assim como os mais belos jardins que exalam os mais belos orvalhos, eu desejaria ser o orvalho do teu jardim, mesmo sabendo, que poderia me dissipar ao amanhecer. 


J.gomes

CRUZEIRO DO SUL: SAÚDE CONFIRMA 1ª morte por dengue hemorrágica no município

A Secretaria de Saúde Municipal de Cruzeiro do Sul (AC) confirmou nesta sexta-feira (21) a morte de uma pessoa por dengue no município. Este é o primeiro caso de morte por dengue registrado na cidade. A pessoa, que não pode ter os dados divulgados, morreu no início do mês de novembro com os sintomas de dengue grave, conhecida como dengue hemorrágica. Outros cinco casos de morte por suspeita de dengue estão sendo analisados em Cruzeiro do Sul. Até esta sexta-feira (21) foram registrados 24.606 casos suspeitos de dengue e 13.398 positivos.


De acordo com a secretária de Saúde Lucila Bruneta, um laboratório particular já havia diagnosticado a morte por dengue no início do mês, mas como o Ministério da Saúde aceita apenas resultados de laboratórios públicos, apenas agora a secretária pode confirmar a morte em razão da doença.


“Foi feita a coleta do material, do sangue, e enviada para sorologia. Mesmo que a pessoa faça o exame em laboratório particular é necessário que seja feito em laboratório público, aí o Ministério da Saúde aceita. Essa mesma amostra foi enviada para Belém para diagnosticar o tipo de vírus da dengue que circula, pois até agora só foi diagnosticado o tipo 1, e como houve uma morte é importante a gente ver se existe outro vírus circulando na cidade”, relatou a secretária.


De acordo ela, a vítima da doença não chegou a ser atendida em nenhuma das unidades do município, apenas no Hospital Dermatológico, outro ponto de referência para o atendimento às vítimas de dengue. Bruneta ressalta a importância da procura pelo atendimento nos primeiros sintomas apresentados.


“Essa pessoa consultou no dermatológico. É importante que as pessoas procurem os postos de saúde nos primeiros sintomas, quero esclarecer que a consulta da dengue é uma consulta demorada, pois temos que fazer primeiro o exame de malária, depois fazer a notificação, depois a prova do laço, em seguida o hemograma e a consulta médica que também tem que ser demorada, mas todos devem procurar o atendimento médico”, explicou a secretária de saúde.


Vanísia Nery
DO G1 AC

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

TARAUACÁ: AULAS RENICIARÃO NA PRÓXIMA SEGUNDA-FEIRA (24)


Assessoria

PORTAL DA TRANSPARÊNCIA

Logo cedo, na minha caixa de Email. É bom o cidadão ficar  atento aos recursos repassados para o município. Diariamente acesso o portal da transparência e recebo Email com informações sobre os repasses que vem para o município de Tarauacá. 


Caro cidadão,

Você está recebendo esta mensagem porque se cadastrou no Portal da Transparência para receber informações sobre novos repasses de recursos federais a estados e municípios realizados por meio de convênios. O objetivo da divulgação desses dados é ampliar a transparência pública e estimular a participação e o controle social.

Os dados dos convênios aqui relacionados foram extraídos do SIAFI, no dia 17/11/2014. Caso deseje saber o total liberado, consulte o detalhamento do convênio no Portal da Transparência

Os convênios do município de TARAUACA/AC que receberam seu último repasse no período de 10/11/2014 a 17/11/2014 estão relacionados abaixo:


--------------------------------------------------------------------------------
Número Convênio: 801504
Objeto: Aquisicao de retroescavadeira e vassoura mecanica
Órgão Superior: MINISTERIO DA DEFESA
Convenente: MUNICIPIO DE TARAUACA
Valor Total: R$ 300.000,00
Data da Última Liberação: 13/11/2014
Valor da Última Liberação: R$ 300.000,00

--------------------------------------------------------------------------------
Número Convênio: 681958
Objeto: TRANSFERêNCIA DE RECURSOS DA UNIãO, PARA EXECUçãO DE AçõES DE SOCORRO E ASSISTêNCIA àS VíTIMAS AFETADAS POR INUNDAçõES, NO MUNICíPIO DE TARAUACá, NO ESTADO DO ACRE.
Órgão Superior: MINISTERIO DA INTEGRACAO NACIONAL
Convenente: MUNICIPIO DE TARAUACA
Valor Total: R$ 52.200,00
Data da Última Liberação: 14/11/2014
Valor da Última Liberação: R$ 52.200,00

BRASÍLIA: MINISTÉRIO DA DEFESA ANUNCIA O REPASSE DE R$ 794 MIL PARA TARAUACÁ EM AUDIÊNCIA COM JORGE E ANIBAL

Senadores Jorge Viana e Anilbal Diniz em audiência no Ministério da Integração
Os senadores Jorge Viana e Anibal Diniz estiveram em audiência pública na manhã de hoje com o ministro da Integração, Francisco Teixeira, e também com o secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, Alexandre Gomes, para pedir urgência na liberação de recursos para o município de Tarauacá, que sofre uma das maiores alagações de sua história. A boa notícia recebida pelos parlamentares foi a do repasse imediato no valor de R$ 794 mil que deverá estar na conta da prefeitura do município até terça-feira da próxima semana.


Os recursos serão utilizados para compra de gêneros alimentícios, material de cozinha, higiene pessoal, água, combustível e outros produtos essenciais para atender à população do município nessa situação de calamidade. O decreto de estado de emergência foi publicado na manhã de hoje no Diário Oficial da União.

A cheia dos rios Tarauacá e Muru atingiu mais de 5 mil famílias, incluindo índios, ribeirinhos e a grande maioria da população da sede do município. Os prejuízos, de acordo com a prefeitura, são incalculáveis e começam a aparecer principalmente agora, com os sinais de vazante dos rios. 

“O prefeito Rodrigo Damasceno está fazendo o possível para socorrer as vítimas. O governador Tião Viana botou a equipe do estado para ajudar, liberou recursos e ajudou junto ao governo federal para o reconhecimento do estado de calamidade no município. Hoje, depois da audiência, liguei para o prefeito Rodrigo e falei com o governador Tião Viana para informar que conseguimos a liberação desse dinheiro que sei, vai ajudar no socorro aos que mais sofrem por conta da cheia. Amanhã, devo estar em Tarauacá, junto com o Tião e vou ajudar a prefeitura a preparar uma proposta buscando mais recursos para ajudar tanto as pessoas da cidade como do interior. Temos muito trabalho pela frente. Um desastre como esse causa um dano muito grande na vida das pessoas. Muita gente da cidade perdeu tudo. E pessoas do interior perderam a plantação, a criação e o que tinham dentro de casa. É hora de solidariedade e trabalho”, declarou o senador Jorge Viana em sua página do Facebook.


Da Assessoria/Gabinete
Senador Jorge Viana

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

TARAUACÁ: LENTAMENTE ÁGUAS COMEÇAM A BAIXAR


A cidade e população de Tarauacá, castigada nos últimos 4 dias pela maior alagação dos seus 101 de história, que atingiu 75 por cento da cidade e quase todas as comunidades residentes nas margens dos Rios Tarauacá e Murú, começa a perceber que o sofrimento pode estar chegando ao fim. 

É que na manhã desta quarta feira, já é possível perceber o início da vazante dos rios. Já é possível calcular cerca de 30 cm de diferença.

Muito trabalho ainda a ser feito e muitas pessoas sofrendo com essa calamidade pública que se instalou no município.

Blog do Accioly